quarta-feira, 6 de abril de 2011

A civilização dos megálitos

Templo de Mnajdra, Malta.
No fim do Neolítico, os habitantes da ilha de Malta sabem utilizar os megálitos para construir edifícios elaborados. A presença de ídolos femininos no interior prova que se trata de santuários. Em Mnajdra, três monólitos decorados em picotagens servem de porta de entrada para penetrar em três salas em forma de folhas de trevo. Atrás, câmaras com ressonâncias insólitas deviam servir para proferir oráculos. 3° milênio a.C..

Os megálitos (grandes pedras) são os mais antigos monumentos da humanidade. Entre o 5° e 2° milênio a.C., enormes blocos de pedra foram erigidos na Europa em locais abertos e muitas vezes sobre uma elevação. Os mais antigos megálitos estão na Espanha e em Portugal, bem como no Golfo de Lion (noroeste do mar Mediterrâneo), na Córsega, na Sardenha e em Malta. O costume de erigir “grandes pedras” segue depois ao longo da costa atlântica. A Bretanha, em particular, oferece numerosos exemplos desses monumentos. A seguir, a arte megalítica chegou à Irlanda, à Grã-Bretanha e finalmente, por volta de 1500 a.C., à Jutlândia e à Escandinávia.

Os menires, altas pedras verticais de um bloco único, podem ser isolados ou colocados em círculos (o cromlech) ou ainda alinhados. Os alinhamentos dos menires de Carnac ou os círculos de Stonehenge estão talvez ligados a um culto solar ou lunar. Os dolmens, que têm a forma de mesa, são formados por pedras verticais que sustentam um bloco único disposto horizontalmente. Abrigando geralmente câmaras funerárias, são dissimulados sob um montículo de terra ou cairns (montes de pedras). Alguns megálitos são decorados. Na França, as paredes do dólmen de Gavrinis (Morbihan) apresentam gravações de desenhos abstratos (círculos, espirais), folhas, machados e serpentes. Em Filitosa (Córsega), menires têm gravações em relevo com características antropomórficas (esboços de cabeça e braços), além de armas de guerra.

A dama de Saint-Sernin em Aveyron.
Esta estela de arenito esculpido, em forma arredondada no alto, representa de manei4a muito estilizada uma mulher. Dois buracos para os olhos, um traço para o nariz, linhas horizontais para as faces desenham o rosto do ídolo. O grande colar terminado com um pendente, os seios, a tanga que cobre o baixo-ventre e os quatro membros estão particularmente sublinhados. Mais de 20 pequenos menires com a aparência de ídolos femininos, como este, foram encontrados em Aveyron.

Stonehenge, na Grã-Bretanha.
Construído por etapas entre o 3° e o 2° milênio, o conjunto monumental de Stonehenge se compõe de círculos concêntricos de menires, de 3 a 6 metros de altura, e pesando dezenas de toneladas. As pedras verticais do círculo exterior suportam blocos horizontais. Até agora este sítio impressionante não revelou o segredo de sua finalidade.

Você quer saber mais?

SALLES, Catherine. Larousse das Civilizações Antigas: Vol. I – Dos Faráos à Fundação de Roma, 2006.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.