-

-

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O MAIS INJUSTO JULGAMENTO DE TODA HISTÓRIA FOI NECESSÁRIO!

O Sinédrio, (do hebraíco "Sanhedrin" do grego "assembleia sentada", donde vêm a palavra"assembleia") é o nome dado à associação de 23 juízes que a Lei judaica ordena existir em cada cidade.

Poucos julgamentos do passado, se é que alguns,são tão conhecidos como este. Quatro relatos da Bíblia, chamados de Evangelhos, descrevem a prisão, o julgamento e a execução de Jesus Cristo. Por que você deveria se interessar por esse assunto? Porque Jesus disse que seus seguidores deviam comemorar sua morte, o que aumenta a importância do julgamento que levou a esse desfecho; porque devemos saber se as acusações contra Jesus eram verdadeiras; e porque o sacrifício que Jesus fez, dando voluntariamente sua vida, é de importância vital para nós e para o nosso futuro. – Lucas 22:19; João 6:40.

Na época do julgamento de Jesus, a Palestina era governada por Roma. Os romanos permitiam que as autoridades religiosas judaicas administrassem a justiça entre os judeus segundo suas próprias leis, mas pelo visto não lhes concediam o direito legal de executar criminosos. Portanto, Jesus foi preso por seus inimigos religiosos judeus, mas executado pelos romanos. Sua pregação deixou os líderes religiosos da época tão humilhados que eles decidiram que Je3sus devia morrer. Mesmo assim, queriam que essa execução parecesse legal. Uma análise dos esforços que eles fizeram para conseguir isso levou um professor de Direito a classificar o caso como “o pior crime conhecido da história da Jurisprudência”.

Um erro após o outro

A Lei que Moisés transmitiu a Israel tem sido chamada de “o melhor e mais perspicaz sistema de leis já promulgado”. No entanto, os rabinos no tempo de Jesus, que tinham o costume de criar leis para tudo, haviam acrescentado a ela uma grande quantidade de regras, muitas das quais foram mais tarde registradas no Talmude. Será que o julgamento de Jesus cumpriu esses critérios bíblicos e seculares?

Será que Jesus foi preso porque duas testemunhas fizeram a mesma acusação contra ele num tribunal? Para que a prisão fosse legal, deveria ter sido assim. Na Palestina do primeiro século, um judeu que acreditasse que uma lei tinha sido violada levava o caso ao tribunal durante sessões regulares. Os tribunais não podiam acusar; eles simplesmente investigavam as acusações apresentadas. A acusação só podia ser feita pelas testemunhas de um suposto crime. O julgamento começava quando o depoimento de pelo menos duas testemunhas do mesmo caso estavam de acordo. Seu testemunho do mesmo constituía a acusação, o que levava à detenção do acusado. A provas apresentadas por apenas uma testemunha não eram aceitas. (Deuteronômio 19:15) No caso de Jesus, porém, as autoridades judaicas apenas procuraram um “meio eficiente” de se livrar dele. Ele foi preso quando surgiu “uma boa oportunidade” – à noite e “sem que houvesse uma multidão em volta”. – Lucas 22:2,2,5,6,53.

Quando Jesus foi preso, não havia nenhuma acusação contra ele. Os sacerdotes e o Sinédrio, a suprema corte judaica, só começaram a procurar testemunhas depois de sua prisão. (Mateus 26:59) Eles não conseguiram encontrar duas testemunhas que estivessem de acordo. Além disso, não cabia ao tribunal ficar procurando testemunhas. E “julgar um homem, ainda mais quando a vida dele estava em jogo, sem especificar de antemão o crime pelo qual ele estava sendo julgado, pode ser apropriadamente chamado de ultraje”, disse o advogado e escritor A. Taylor Innes.

A turba que havia detido Jesus levou-o até a casa do ex-sumo sacerdote Anás, que começou a interrogá-lo. (Lucas 22:54; João 18:12, 13) Por agir assim, Anás desprezou a regra de que acusações passíveis de pena de morte deviam ser julgadas de dia, não à noite. Além disso, qualquer investigação deveria ser realizada em tribunal público, não a portas fechadas. Sabendo que o interrogatório de Anás era ilegal, Jesus disse: “Por que me interrogas? Interroga os que ouviram o que lhes falei. Eis que estes sabem o que eu disse.” (João 18:21) Anás deveria examinar as testemunhas, não o acusado. A observação de Jesus teria motivado um juiz honesto a respeitar os procedimentos corretos, mas Anás não estava interessado na justiça.

Por causa da resposta de Jesus, um dos guardas lhe deu uma bofetada – e esse não foi o único ato de violência que ele sofreu naquela noite. (Lucas 22:63; João 18:22) A lei registrada no livro bíblico de Números capítulo 35, sobre as cidades de refúgio, diz que os acusados deviam ser protegidos contra maus-tratos até que se provasse sua culpa. Jesus deveria ter recebido essa proteção.

Depois ele foi levado à casa do Sumo Sacerdote Caifás, onde aquele julgamento ilegal continuou noite adentro. (Lucas 22:54; João 18:24). Ali, contra todos os princípios de justiça, os sacerdotes procuraram “falso testemunho contra Jesus, para entregarem à morte”. No entanto não havia duas pessoas que dissessem a mesma coisa sobre o que Jesus tinha falado. (Mateus 26:59) Assim, o sumo sacerdote tentou fazer com que o próprio Jesus se incriminasse. “Não dizes nada em resposta?”, perguntou ele. “O que é que estes testificam contra ti?” (Marcos 14:60). Essa tática era completamente inaceitável. “Questionar o acusado e condená-lo com base em sua resposta, era uma violação da justiça formal”, observou Innes, já citado.

Por fim, aqueles homens se aproveitaram de uma declaração de Jesus. Em resposta à pergunta: “És tu o Cristo, o Filho do Bendito?”, Jesus respondeu: “Sou ; e vós vereis o Filho do homem sentado à destra de poder e vindo com as nuvens do céu.” Os sacerdotes concluíram que isso era uma blasfêmia e “todos o condenaram a estar sujeito à morte”. – Marcos 14:61-64.

De acordo com a Lei mosaica, os julgamentos deviam ser realizados em público. (Deuteronômio 16:18; Rute4:1) Mas esse julgamento foi em secreto. Ninguém tentou ou teve permissão para falar a favor de Jesus. Nenhuma investigação foi feita sobre a afirmação de Jesus de ser o Messias. Ele não teve oportunidade de apresentar testemunhas de defesa. Não houve nenhuma votação ordeira entre os juízes para determinar sua culpa ou inocência.

Perante Pilatos

Visto que os judeus pelo visto não tinham autoridade para executar Jesus, eles o levaram a Pôncio Pilatos, o governador romano. A primeira pergunta de Pilatos foi: “Que acusação levantais contra este homem?” Cientes de que a acusação forjada de blasfêmia não significaria nada para Pilatos, os judeus tentaram fazer com que ele condenasse Jesus sem investigar o caso. “Se este homem não fosse delinqüente, não o teríamos entregado a ti”, disseram eles. (João 18:29,30) Pilatos rejeitou esse argumento, o que forçou os judeus a fazer outra acusação: “Achamos este homem subvertendo a nossa nação e proibindo o pagamento de impostos a César e dizendo que ele mesmo é Cristo, um rei.” (Lucas 23:2) Assim, a acusação de blasfêmia foi astutamente mudada para traição.

Jesus perante Pôncio Pilatos. “Não acho falta nele”, declarou. (João 18: 38) Essa foi a opinião de Pilatos até o fim do julgamento.

A acusação de que Jesus “proibia o pagamento de impostos” era falsa, e seus acusadores sabiam disso. Ele ensinou exatamente o oposto. (Mateus 22:15-22) Sobre a acusação de que Jesus tinha feito de si mesmo rei, Pilatos logo viu que aquele homem não representava nenhuma ameaça para Roma. “Não acho falta nele”, declarou. (João 18: 38) Essa foi a opinião de Pilatos até o fim do julgamento.

Primeiro Pilatos tentou livrar Jesus com base no costume de libertar um prisioneiro na Páscoa. Mas acabou libertando Barrabás, que era culpado de sedição e assassinato. – Lucas 23:18,19; João 18:39,40.

A seguir, Pilatos tentou uma solução conciliatória para livrar Jesus. Ele ordenou que o chicoteassem, o vestissem de púrpura, o coroassem com espinhos, o espancassem e o ridicularizassem. Mais uma vez, ele declarou a inocência de Jesus. Era como se Pilatos estivesse dizendo: “Isso não basta para vocês, sacerdotes?” Talvez ele esperasse que a visão de um homem submetido ao açoitamento romano satisfizesse a ânsia deles de vingança ou os fizesse sentir compaixão. (Lucas 23:22). Mas isso não aconteceu.

Os judeus no entanto não conseguiam encontrar duas pessoas que dissessem a mesma coisa sobre o que Jesus tinha falado para poderem o acusar por algum crime. (Mateus 26:59).

“Pilatos procurava um modo de livrá-lo (Jesus). Mas os judeus gritavam, dizendo: “Se livrares este homem, não és amigo de César. Todo homem que se faz rei fala contra César. “ (João 19:12) O César daquele época era Tibério, um imperador que tinha a reputação de executar qualquer um que fosse considerado traidor – até mesmo autoridades de alto escalão. Pilatos já tinha irritado os judeus, de modo que não podia se dar ao luxo de ter mais conflitos, muito menos de ser acusado de traição. As palavras da multidão assumiram um tom de ameaça, uma chantagem, e Pilatos ficou com medo. Ele acabou cedendo à pressão e ordenou que Jesus, um homem inocente, fosse pregado numa cruz. – João 19:16.

Uma consideração das provas

Muitos comentaristas jurídicos analisaram os relatos dos Evangelhos sobre o julgamento de Jesus e concluiram que ele foi uma fraude, uma distorção da justiça. “O fato de o começo e o termino desse julgamento, bem como o pronunciamento formal da sentença, terem ocorrido entre a meia-noite e o meio-dia foi uma violência contra as normas e regras da lei hebraica, e contra os princípios de justiça”, escreveu o advogado. Certo professor de Direito disse: “Todo o processo foi conduzido com tamanha ilegalidade e teve tantas irregularidades que o resultado pode ser considerado nada mais que um assassinato da justiça.”

Jesus era inocente. Mas ele sabia que sua morte era necessária para a salvação da humanidade. (Mateus 20:28). Seu amor pela justiça era tão grande que se sujeitou à mais descarada injustiça já cometida. Fez isso em beneficio de pecadores como nós. Que nunca nos esqueçamos disso!

*Leis Judaicas nos primeiros séculos*

A tradição oral judaica, colocada por escrito nos primeiros séculos da Era Comum, mas considerada bem mais antiga, incluía as seguintes regras:

*Em casos passíveis de pena de morte, os argumentos pela absolvição eram ouvidos primeiro.

*Os juízes deviam fazer todo o possível para salvar o acusado.

*As testemunhas eram alertadas da seriedade de seu papel.

*As testemunhas eram ouvidas separadamente, não na presença umas das outras.

*O testemunho delas precisava concordar em todos os pontos fundamentais: data, lugar, hora da ocorrência e assim por diante.

*Acusações passíveis de pena de morte tinham de ser julgadas durante o dia e concluídas durante o dia.

*Casos passíveis de pena de morte não podiam ser julgados na véspera de um sábado religioso ou de uma festividade.

*Casos passíveis de pena de morte podiam começar e terminar no mesmo dia se o réu fosse considerado inocente; se fosse considerado culpado, o caso só podia ser encerrado no dia seguinte, quando o veredicto era anunciado e a sentença executada.

*Casos passíveis de pena de morte eram julgados por pelo menos 23 juízes.

*Os juízes votavam um de cada vez na hora de absolver ou condenar um réu, começando pelo juiz mai novo; os escribas registravam as palavras dos que er4am a favor da absolvição e dos que eram a favor da condenação

*Para alguém ser absolvido, bastava a diferença de um voto, mas para ser condenado era necessário uma diferença de pelo menos dois votos; se houvesse apenas um voto de diferença pela condenação, convocavam-se mais juízes, dois de cada vez, até haver uma diferença de dois votos.

*Uma condenação em que pelo menos um juiz tivesse argumentado a favor do réu era inválida; uma condenação unânime era considerada “indicio de conspiração”.

*Ilegalidade no Julgamento de Jesus*

*O tribunal não ouviu os argumentos nem as testemunhas a favor da absolvição.

*Nenhum juiz tentou defender Jesus; eles eram inimigos dele.

*Os sacerdotes procuraram falsas testemunhas para condenar Jesus a morte.

*O caso foi ouvido a noite, a portas fechadas.

*O julgamento começou e terminou no mesmo dia, na véspera de uma festividade.

*Não houve nenhuma acusação formal antes da prisão de Jesus.

*A afirmação de Jesus de ser o Messias, considerada uma “blasfêmia”, não foi analisada.

*A acusação foi alterada quando o caso chegou perante Pilatos.

*As acusações eram falsas.

*Pilatos considerou Jesus inocente e mesmo assim mandou executá-lo.

O que os judeus não contavam é que estavam diante do Messias tão aguardando por eles. E eles o acusaram injustamente, maltrataram, o entregaram para ser julgado por pagãos que não vião mal nenhum nele, mas mesmo assim insistiam que ele era um perigo. A consequencia disso! A crucificação de Jesus, sua ressurreição e vitória sobre a morte. Um inocente sofreu o mais injusto julgamento da história para que hoje nós pudessemos viver na graça de sua salvação, pois todo aquele que for a Jesus Cristo terá gratuitamente a vida eterna e viverá aqui e no porvir em novidade de vida.

Você quer saber mais?

GOTTWALD, Norman K. O método sociológico no estudo do antigo Israel. Estudos Bíblicos, 7, Petrópolis: Vozes, p.42-55, 1985.

ARANGO L., José Roberto. A utopia enterrada. Negação do ideal social na monarquia de Israel. Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana/Ribla, 24, Petrópolis: Vozes, p.7-17, 1996.

BAILÃO, Marcos Paulo. Evangelizar é criar uma nova sociedade – A formação da nação Israel como anúncio do Reino de Deus. Estudos Bíblicos, 31, Petrópolis: Vozes, p.18-26, 1991.

BOFF, Clodovis. Como Israel se tornou povo? Evolução de Israel do estado de clã até à monarquia. Estudos Bíblicos, 7, Petrópolis: Vozes, p.7-41, 1985.

BRITO, Jacir Rodrigues de. Midraxe e História. Estudos Bíblicos, 71, Petrópolis: Vozes, p.53-61, 2001.

COMBLIN, José. Os pobres como sujeito da história. Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana/Ribla, 3, Petrópolis: Vozes, p.36-48, 1989.

CROATTO, José Severino. Dívida e justiça em textos do Antigo Oriente. Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana/Ribla, 5-6, Petrópolis: Vozes, p.35-39, 1990.

CROATTO, José Severino. A Deusa Aserá no antigo Israel: A contribuição epigráfica da arqueologia. Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana/Ribla, 38, Petrópolis: Vozes, p.32-44, 2001.

http://www.construindohistoriahojecontato.blogspot.com/

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/2010/07/brigada-integralista.html

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/F%C3%89

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/INTEGRALISMO

http://www.desconstruindo-o-comunismo.blogspot.com

http://www.desconstruindo-o-nazismo.blogspot.com

http://www.ielb.org.br/

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

LUTERO DESEJAVA FORMAR UMA NOVA IGREJA.?


PX: O monograma de Cristo formado por duas letras do alfabeto grego X (chi) e P (ro) que entrelaçadas formam as primeiras duas letras da palavra grega “Christos”

A Igreja luterana sempre levou a sério essa acusação. Mas e quanto aos pais de nossa igreja fizeram para evitar o cisma!
Que concessões eles estavam preparados a fazer para evitar uma divisão da igreja.

Cada linha da confissão de Augsburgo registra seu desejo de um acordo com Roma. Lutero estava disposto a ir mais longe, quase, do que permissível para marcar as fronteiras que a distingue.A Confissão de Augsburgo foi escrita em completo tom conciliador.Embora fosse capaz de aceitá-la como uma expressão da doutrina evangélica pura.Martinho Lutero estava cheio de ansiedade para que essa política de conciliação não terminasse numa traição ao evangelho.De fato depois da morte de Lutero, houver realmente o perigo de que Melanchthom pudesse sacrificar toda a reforma a fim de salvar a unidade da igreja ocidental.

E ainda assim a emergente igreja luterana não teve ocasião de envergonhar-se desse desejo de paz. Há um significado profundo em sua recusa, nesse caso, de seguir incondicionalmente o reformador e seu temperamento impetuoso. Ela demonstrou com isso quão seriamente preocupada ela estava em preservar a unidade exterior da igreja, assim como o fato de que essa unidade perturbada no século XVI pesou sobre o seu coração através de todo o curso de sua história posterior.A igreja luterana nunca acreditou que a ruptura da cristandade ocidental foi um processo necessário e conveniente. Pois transformou o mundo eclesiástico unido da Idade Média em várias formas de piedade e procedimentos cuja variedade é legítima, mas também introduziu um conflito entre doutrinas.

Erro e pecado devem ser incluídos entre as causas de fato, as causas mais importantes da divisão. Nem a igreja luterana tentou alguma vez minimizar a importância da divisão afirmando que ela afetou somente a igreja externa ou “empírica”, quanto a verdadeira igreja, a única santa igreja cristã que nós confessamos no credo, permaneceu intocada.Com certeza nós mortais não podemos dividir a UNA SANCTA, o corpo de Cristo, por nosso erro e nosso pecado.Mas nós podemos abandonar essa verdadeira igreja talvez sem sabê-lo.

O que parece uma divisão externa, pode ser apostasia.Pois a Igreja verdadeira, a igreja da fé, não está relacionada com a forma concreta da igreja histórica como uma idéia está relacionada com seu modo de expressão.Nós não estamos professando fé em uma idéia quando confessamos: EU CREIO NA SANTA IGREJA CRISTÃ.Nós luteranos acreditamos que essa igreja não é imaginária , mas sim tem uma igreja onde os santos vivem, está permanece verdadeiramente sobre a terra.

"Crer nesta igreja significa crê que, EM, COM E SOB as manifestações da igreja histórica, a UNA SANCTA, o corpo de Cristo, está oculto, e mesmo assim presente, no mundo como uma realidade."

A igreja até se obriga, a reconhecer que a verdadeira igreja de Cristo poderia também ser encontrada na Igreja Romana.Assim a emergente igreja luterana declarou repetidamente em Augsburgo em 1530:

A incansável busca cristã pela reconciliação entre as Igrejas na UNA SANCTA.

“Que é o nosso maior desejo manter o governo da Igreja antiga e os graus na igreja, muito embora eles tenham sido feitos por autoridade humana, desde que os bispos permitam a nossa doutrina e recebam nossos sacerdotes.”

Mas os sacerdotes romanos não fizeram o mínimo esforço para entender as idéias da Reforma ou pelo menos aplicar PARTICULA VERI quem em toda heresia tem algo de verdadeiro que a igreja deixou escapar.Assim, os evangélicos foram confrontados com uma escolha.

Eles tinham que obedecer ou ao papa, ou a palavra de Deus. Eles tinham que renunciar ou a doutrina pura do Evangelho, ou a comunhão eclesiástica exterior com o bispo de Roma e seus seguidores.Depois de terem tentado o máximo para evitar o escândalo de uma ruptura aberta, depois de terem oferecido fazer qualquer sacrifício menos o de abandonar o evangelho, eles escolheram tolerar a excomunhão do papa e o anátema do Concílio de Trento.Mas eles nunca reconheceram sua exclusão da Igreja Católica. Pelo contrario eles se consideravam a si mesmo membros da igreja “Católica” para sua igreja e ensino, mesmo quando tiveram que estabelecer igrejas inteiramente novas.Embora o uso coloquial tenha mudado, e o termo “Católica” tenha se tornado a designação popular para o corpo que é adequadamente chamado de “Igreja Romana”. A Igreja Evangélica Luterana, nunca renunciou ao seu direito a esse nome.

Você quer saber mais?


SASSE, Hermann. Aqui Nos Firmamos: Natureza e Caráter Da Fé Luterana. Canoas, Editora da Ulbra, 2008.

FALE COM OS CONSTRUTOR
OBJETIVO

PESSOAL
INTEGRALISMO
DESCONSTRUINDO O COMUNISMO
DESCONSTRUINDO O NAZISMO
LUTERANOS

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Pampadromaeus, com penas dinossauro descoberto no Rio Grande do Sul é um dos mais antigos do Mundo.

O dinossauro foi descoberto em 2004, mas foi classificado somente agora. Foto: Gabriel de Mello/Ulbra/Divulgação.

Cientistas de quatro universidades brasileiras apresentaram nesta quinta-feira em Canoas (RS) o resultado do estudo de uma espécie de dinossauro descoberta em 2004 em Agudo (RS). Após a classificação, o predador plumado ganhou o nome de Pampadromaeus barberenai. A pesquisa foi coordenada pelo professor Sergio Cabreira, da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), e contou com cientistas das universidades de São Paulo (USP), Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e de Minas Gerais (UFMG).

Os fósseis, datados de 228 milhões de anos atrás, foram descobertos em 2004

Segundo os paleontólogos, o primeiro nome faz referência ao pampa, os campos característicos do Rio Grande do Sul, e o sufixo grego "dromaeus" à palavra grega para "corredor". Já o segundo nome homenageia o pesquisador e paleontólogo brasileiro Mario Costa Barberena, um dos fundadores do Programa de Pós-graduação em Paleontologia do Instituto de Geociências da Ufrgs.

O aspecto do Corredor dos Pampas

O dinossauro tinha apenas 50 centímetros de altura, 1,2 metro de comprimento e pesava aproximadamente 15 quilos. Ele passa a ser chamado de Pampadromaeus barberenai, ou Corredor dos Pampas. O nome genérico refere-se às pradarias típicas do Rio Grande do Sul. O sufixo grego dromaeus se refere ao fato de ser uma espécie corredora. O nome barberenai é uma homenagem ao paleontólogo brasileiro Mario Costa Barberena, um dos fundadores do programa de pós-graduação em Paleontologia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).

“Estes materiais fósseis ajudam os pesquisadores de todo o mundo a encontrarem respostas para a origem dos mamíferos, dos dinossauros e das aves”, explicou o pesquisador e doutor Sérgio Furtado Cabreira, responsável pela descoberta no município de Agudo. Segundo ele, trata-se de um acontecimento importante para a ciência brasileira. “Conseguimos estabelecer oficialmente mais um grupo de dinossauros”, acrescentou.

Grupo de cientistas é composto por gaúchos e paulistas.

A equipe de paleontólogos utilizou-se de radiografias e tomografias computadorizadas de diversas estruturas para chegar em uma reconstrução mais próxima possível do Pampadromaeus. “Esta espécie representa um dos mais antigos membros da linhagem do grupo de dinossauros com pescoço longo, característica típica dos herbívoros. Porém, ele se alimentava de pequenos animais, insetos e compartilhava características dos famosos bípedes carnívoros, como o Tiranossauro rex, que existiram 75 milhões de anos atrás”, explicou.

A pesquisadora Marina Bento Soares, da Ufrgs, salientou outro aspecto do dinossauro gaúcho. A presença de penas. “Somente depois de descobertas na China que se percebeu que as penas tinham origem no isolamento térmico e não com o voo”, frisou. Lembrou que Pampadromaeus, por seu porte, era um animal ágil, de atividade intensa mesmo em clima frio. “Por isso a decisão de fazer a réplica com penas”, comentou Marina.

O fóssil descoberto tem 228 milhões de anos e, destacam os pesquisadores, possui muitas características do grupo dos terópodos - famosos carnívoros como Tyrannosaurus rex e Velociraptor mongoliensis -, em especial ser bípede. Apesar disso, estes predadores existiram apenas 75 milhões atrás, muito depois do corredor dos pampas.

Contudo, o Pampadromaeus é um dos mais antigos representantes da linhagem dos sauropodomorfos, no qual se destacavam dinossauros de pescoço longo, geralmente herbívoros e grandes - como os titanossauros. O dinossauro gaúcho, apesar de pertencer ao grupo, era bem diferente - tinha apenas 1,2 m e era onívoro (comeria pequenos animais, inclusive insetos, e vegetais).

A descoberta indicaria que os primeiros sauropodomorfos e terópodos eram muito semelhantes, mas acabaram gerando dinossauros bem diferentes, o primeiro os saurópodos (herbívoros), enquanto os terópodos continurariam com "monstros" como os tiranossauros.

O município de Agudo concentra um grande número de fósseis que datam até 200 milhões de anos atrás. A importância é tamanha que levou à criação da “Rota Paleontológica”, que inclui as cidades de Faxinal do Soturno, Dona Francisca e São João do Polêsine. Nesses municípios, já foram encontrados fósseis de répteis, dicinodontes, cinodontes, pronto-mamíferos e dinossauros ancestrais.

O estudo foi coordenado pelo paleontólogo Sergio Cabreira (Ulbra) e contou com os pesquisadores Cesar Leandro Schultz e Marina Bento Soares (Ufrgs), Max Cardoso Langer e Jonathas Bittencourt (USP) e Daniel Fortier (UFMG), além do biólogo e mestrando Lúcio Roberto da Silva (Ulbra).

Você quer saber mais?

http://www.construindohistoriahojecontato.blogspot.com/

http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=364135

http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5487006-EI8147,00-Com+penas+dinossauro+descoberto+no+RS+ganha+o+nome+de+pampa.html

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL



quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Fórmula de Concórdia

Na esteira da morte de Lutero (1546) e com a derrota militar do príncipes luteranos (1547), uma série de controvérsias sobre a pura doutrina da Reforma ameaçava dividir os luteranos em dois partidos: um partido cada vez mais isolado, o gnesioluterano (gnesio, do grego: autêntico), que se pretendia defensor dos ensinamentos originais de Martinho Lutero, inicialmente liderado por Mathias Flacius, e o outro, o filipista, composto por seguidores de Filipe Melanchthon, que levaram a extremos as coisas discernidas por seu mentor. O desejo de unificação foi instigado por fortes pressões políticas do lado católico romano e do lado calvinista.

A ruptura aberta entre os luteranos revelada pelo Colóquio de Worms (1557) conduziu a duas conferências de bispos que não tiveram efeito: em Frankfurt (1558) e em Naumburgo (1561). No princípio de 1568, uma solução teológica para a divisão foi tentada com generoso apoio moral e financeiro dos príncipes. A primeira fórmula proposta foi a confissão de cinco artigos de Jacó Andreae, Confissão e Breve Explanação, ampliada em 1573 no seeu escrito seis Sermões Cristãos. Uma reformulação dos conteúdos do último ano produziu a Concórdia Suábia. Um novo trabalho sobre este documento, por Martin Chemnitz, à luz de anotações de faculdades e conferências teológicas e de teólogos individuais, resultou na Concórdia Suábio-Sacônica (1575). No ano seguinte, Lucas Osiander e Baltasar Bidenbach foram encarregados de esboçar outro projeto, a assim chamada Fórmula de Maulbronn. Com o surgimento da conspiração criptocalvinista na Saxôniai Eleitoral , o Eleitor Augusto organizou o movimento para a unificação. Na primavera de 1576, ele convocou uma conferência de teólogos a Torgau, onde a Concórdia Suábica-Saxônica e a Concórdia de Maulbronn foram combinadas no assim chamado Livro de Torgau, que Andreae resumiu no Epítome (ou primeira parte) da Fórmula de Concórdia. Depois de enviado a todos os territórios interessados para comentários, o Livro de Torgau foi transformado, na abadia de Bergen, na Declaração Sólida (ou segunda parte) da Fórmula de Concórdia, o assim chamado Livro de Bergen (1577).

Durante os três anos seguintes, enquanto o Prefácio passava de esboço a esboço, 8.188 teólogos, ministros e professores dos territórios participantes assinaram a Declaração Sólida. Finalmente, em 25 de junho de 1580, cinqüenta anos após o dia da leitura da Confissão de Augsburgo diante de Carlos V, o Livro de Concórdia completo foi colocado em circulação. As assinaturas do Prefácio identificam os príncipes e os estados que se comprometeram com ele.

Você quer saber mais?

Fonte: Livro de Concórdia/(Editado por) Darci Drehmer. Traduzido por Arnaldo Schüler. 5.ed.-São Leopoldo: Sinodal; Canoas: Ulbra; Porto Alegre: Concórdia, 2006.

FALE COM OS CONSTRUTOR
OBJETIVO
LinkPESSOAL
LinkDESCONSTRUINDO O COMUNISMO
DESCONSTRUINDO O NAZISMO
LinkLUTERANOS

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

HORRENDA PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS DA NIGÉRIA.

Mãe e filho cristãos foram mortos a golpe de facão e depois queimados.

Persiste a expulsão de cristãos de regiões majoritariamente islâmicas. Com seus ataques planejados, os muçulmanos tentam forçar a emigração dos cristãos, especialmente das províncias multireligiosas do centro da Nigéria (como Adamara, Plateau State e Taraba). No final de fevereiro de 2003, muçulmanos armados atacaram regiões predominantemente cristãs, que ocupam o Centro e o Sul do país, foram enxotados pelos povos muçulmanos.

Os muçulmanos querem introduzir a sharia (A doutrina dos direitos e deveres religiosos do islã) em toda a Nigéria. Segue o relato do jovem Nsikak Apkaidiok:

"Tornei-me cristão quando estava na universidade. Ao retornar para casa compartilhei com minha família as experiências que tive com o Senhor. Meu pai ficou furioso pois não queria saber do cristianismo. Ele amarrou minhas mãos nas costas e não me dava comida. Mas eu fiquei firme! Quando minha situação piorou, fui levado ao hospital. Mas era tarde demais: minhas duas mãos tiveram de ser amputadas".

Em março de 2010, cerca de 500 cristãos foram massacrados a facadas por muçulmanos na Nigéria. São mortos como animais e enterrados como animais!

Como esse novo convertido, milhares de outros cristãos têm sido vítimas das piores barbáries. Pelo menos 528 agricultores de aldeias cristãs foram assassinados no mês passado (23 de outubro de 2011) em confrontos com pastores muçulmanos no centro da Nigéria. Em pelo menos três aldeias ao sul de Jos, capital do Estado de Plateau, homens, mulheres e bebês foram cortados a golpes de facão e tiveram seus corpos queimados. Peter Gyang, morador da aldeia de Dogo Nahawa, a mais afetada pelos ataques, disse que os pastores "dispararam para assusar as pessoas e, em seguida, mataram todos com golpes de facão". Segundo ele, o ataque começou às 3 horas (horário local) e durou até as 6 horas.

A região já estava sob toque de recolher, que durava das 18 horas às 6 horas, desde janeiro desse ano, quando 326 pessoas morreram em confrontos semelhantes nos arredores de Jos, segundo a polícia. Os moradores locais acusam o exército e a polícia local de omissão. As atrocidades não param por ai, militantes islâmicos pertencentes ao grupo Boko Haram, ou 'A educação ocidental é um pecado', reivindicou responsábilidade pelos ataques. Executaram ataques coordenados com bombas e armas contra igrejas e delegacias de polícia no norte da Nigéria, matando pelo menos 150 pessoas e ferindo outras 100, confirmaram os assistentes humanitários e testemunhas no dia 5 de novembro.

Cristãos estão sendo cortados como animais em um matadouro e queimados como lenha.

Testemunhas disseram que homens armados também tinham atacado o vilarejo próximo de Potiskum e a cidade de Maiduguri mais cedo e tinham se engajado em várias horas de batalha armada com as forças de segurança, disseram testemunhas. Jovens bloquearam estradas durante a noite para um ataque na quinta-feira, 3 de novembro, contra uma reunião de oração da Igreja Católica Santo Agostinho, que deixou duas pessoas mortas, disse o grupo de advocacia Christian Solidarity Worldwide (CSW).

“Testemunhas teriam dito que homens armados invadiram a igreja no final da reunião de oração, dispararam contra a congregação que consistia, em sua maioria, de mulheres e crianças, e escaparam para dentro da mata.”

“Duas mulheres morreram no local, doze outras ficaram feridas nos braços e nas pernas e estão recebendo tratamento no Hospital S. Louis, próximo a Zonkwa”, disse a CSW em uma declaração a Worthy News. As violênias entre cristãos e muçulmanos são uma constante da Nigéria, e desde de 2000 até hoje, já provocaram milhares de mortes. A população da Nigéria se divide em cristãos e muçulmanos, em proporções iguais. Os primeiros estão predominantes no Sul e os segundos no Norte, embora muitas vezes, misturem-se nas duas religiões influências de crenças animistas. Existem mais de 200 grupos étnicos no país, que é o mais populoso de toda a África com mais de 140 milhões de habitantes.

Irmãos que sofrem perseguição na Nigéria, ou em qualquer outro lugar da Terra. RESISTAM COMO NOSSO SENHOR NOS ENSINOU. LUTEM UMA BOA LUTA E GUARDEM A FÉ. Esse sofrimento é temporário e Deus não deixará impune aqueles que maltratam aos seus filhos.

Mas já em 1994, a situação na Nigéria estava complicada para os cristãos. Fanáticos muçulmanos decapitaram Gideon Akaluka, um cristão detido em uma prisão de Kano, sob a alegação de que ele havia profanado o Alcorão. Na Nigéria, cerca de 13 mil pessoas teriam morrido em conflitos violentos entre muçulmanos e cristãos desde 1999.

Atenção! Há, sim, uma religião perseguida no mundo hoje. É o cristianismo! A quase totalidade de mortes em razão de perseguição religiosa se dá contra cristãos: na Nigéria, no Sudão, na Indonésia, em quase todos os países árabes, sejam eles aliados do Ocidente ou não. Há quase dois milhões de filipinos católicos trabalhando na Arábia Saudita, fazendo o serviço que os nativos se negam a fazer. Estão proibidos de cultuar sua religião. A transgressão é considerada um crime grave. Na Nigéria, no Sudão ou na Indonésia, não se queimam exemplares da Bíblia, não; queimam-se pessoas mesmo!

“E odiados de todos sereis por causa do meu nome; mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo.Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.” Mateus 10:22,28,32,33

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

“E sereis odiados por todos por amor do meu nome; mas quem perseverar até ao fim, esse será salvo.” Marcos 13:13

“E de todos sereis odiados por causa do meu nome.” Lucas 21:17

Você quer saber mais?

http://www.ielb.org.br/

www.horaluterana.org.br/

http://www.lllb.org.br

http://www.jelb.org.br

http://www.canaljelb.pro.br

http://www.educadoraafonsoclaudio.com.br

http://www.luteranos.com.br/

http://www.seminarioconcordia.com.br

http://www.istoe.com.br/

http://veja.abril.com.br/

http://reporterdecristo.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.